Preço da soja: veja como iniciou a semana no Brasil e em Chicago

As tensões no Mar Negro e o clima seco no Hemisfério Norte puxaram as cotações do trigo, cuja alta contaminou também a soja

Esta segunda-feira (22) foi marcada por preços predominantemente mais altos no mercado brasileiro de soja, impulsionados pelo bom desempenho dos contratos futuros em Chicago.

O recuo do dólar evitou a consolidação de uma tendência uniforme de recuperação interna. A
movimentação melhorou. A avaliação é de Safras & Mercado.

Veja as cotações

  • Passo Fundo (RS): recuou de R$ 124 para R$ 123
  • Região das Missões: caiu de R$ 123 para R$ 122
  • Porto de Rio Grande: passou de R$ 129,50 para R$ 130,50
  • Cascavel (PR): subiu de R$ 122 para R$ 123
  • Porto de Paranaguá (PR): avançou de R$ 128,50 para R$ 130,50
  • Rondonópolis (MT): passou de R$ 115 para R$ 116
  • Dourados (MS): permaneceu em R$ 116
  • Rio Verde (GO): subiu de R$ 114 para R$ 115

Soja em Chicago

Os contratos futuros da soja negociados na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) fecharam a segunda-feira com preços mais altos. O bom desempenho dos mercados vizinhos, principalmente do trigo, garantiu a recuperação da oleaginosa.

A melhora do humor no financeiro global completou o quadro positivo, apesar do cenário fundamental ainda negativo para os preços.

As tensões no Mar Negro e o clima seco no Hemisfério Norte puxaram as cotações do trigo, que chegou a se aproximar de uma valorização de 5%. A alta do cereal contaminou também a soja.

As inspeções de exportação norte-americana de soja chegaram a 435.256 toneladas na semana encerrada no dia 18 de abril, conforme relatório semanal divulgado pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA).

Na semana anterior, as inspeções de exportação de soja haviam atingido 620.139 toneladas.

Contratos futuros

Os contratos da soja em grão com entrega em maio fecharam com alta de 10,50 centavos de dólar, ou 0,91%, a US$ 11,61 por bushel. A posição julho teve cotação de US$ 11,76 1/2 por bushel, com ganho de 10,75 centavos ou 0,92%.

Nos subprodutos, a posição julho do farelo fechou com alta de US$ 1,60 ou 0,46% a US$ 344,80 por tonelada. No óleo, os contratos com vencimento em maio fecharam a 45,668 centavos de dólar, com alta de 0,72 centavo ou 1,6%.

Câmbio

O dólar comercial encerrou a sessão em queda de 0,57%, sendo negociado a R$ 5,1692 para venda e a R$ 5,1672 para compra. Durante o dia, a moeda norte-americana oscilou entre a mínima de R$ 5,1682 e a máxima de R$ 5,2180.

https://www.canalrural.com.br/agricultura/projeto-soja-brasil/preco-da-soja-veja-como-iniciou-a-semana-no-brasil-e-em-chicago/

Posts Relacionados
Preço do milho não deve superar os custos

Existem mais fatores de baixa para o milho De acordo com informações divulgadas pela TF Agroeconômica, dificilmente os preços do milho irão superar os custos de produção desta safra. “ (Veja Mais)...